quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Justin Bieber e coisas que você fez ou fará

Que me perdoem os bons de coração e os ursinhos Gummi, mas o Justin é só mais um garoto normal.

Imagina o mundo todo fazendo bullying com você, te chamando de menininha, dizendo que você da a bunda e que você é mulherzinha dos outros. Pois então, muitos teriam se matado ou desistido da carreira. O Justin apesar de ser uma criança quando tudo isso começou, ele aguentou firme e continuou "tentando".

Quantas  vezes você desistiu de coisa tão importante quanto sua carreira por motivos menores?

Eu pensei começar esse texto com a seguinte frase: "O Justin, é só um idiota fazendo idiotice. Para provar que é um idiota diferente do idiota que o chamavam", mas estava pensando, enquanto vinha no ônibus cheio de gente tão ou mais fundida que eu, "o Justin comeu uma puta, pichou muro e foi rude com pessoas chatas da porra, que ficaram seguindo o cara as 4 da manhã". Eu faria essas coisas.

Você nunca atirou um pacote de bala no chão? Ou o guardanapinho que segurava a casquinha do sorvete. Então vamos com calma. O cara sujou um pouco mais a cidade. Coisa que qualquer um de nós já fez.
Uma pergunta para o pessoal da zoeira, quantas vezes vocês conseguiram pichar um muro com um carro da policia ao lado? Tá certo que o cara tem um segurança que tem mais porte fisica que metade do nosso efetivo policial. Tá certo que ele tem dinheiro e poderia subornar alguém para não se incomodar. Mas mesmo assim, ele foi lá e fez.
Aposto que se o Justin pichar um muro em todas as cidades que fizer show, as pessoas começarão a oferecer seus muros para ter a marca "Bieber esteve aqui". Isso vai acabar deixando de ser um crime do marginal teen e vai virar uma marca registrada e algo muito cool que será escrito em sua biografia.

Imagina você, sendo perseguido as 4 da manhã por um grupo de pessoas. Querem tirar foto. Nisso chega mais um grupo. Provavelmente depois chegaria mais, vocês não aprenderam com o The Walking Dead? Se você ficar parado, ele viram. Se mantenha em movimento. Deve ser um inferno ter tantos fãs. Não poder sair e tudo mais que os famosos reclamam. 4 da manhã o pessoal exagerou um pouco. Se o Justin tivesse saído para dar uma volta no meio da tarde, ok. Mas gente, vão dormir senão vocês perdem o Enem.

"Ai que nojo, ele dormiu com uma puta". Se foi com uma puta, ele foi muito inteligente. Imagina se ele fica com uma fã que tá loquinha pra engravidar dele. A puta é mais honesta, ele come, paga e era isso. Melhor ele pagar R$ 10.000,00 em uma puta do que ficar sustentando um filho brasileiro que vai ficar fazendo versão nacional das musicas dele.
Não sabia? Veja:
Ele nem vai precisar gastar o dinheiro dos ingressos. Teve gente que pagou um Playstation 4 pra tirar foto com ele. Convenhamos, ele deve estar acostumado com sexo profissional. Uma fã adolescente, faria o Brasil passar vergonha. Se você tem nojo de homens que dormem com putas, aconselho a não apertar a mão e não utilizar o mouse de 80% dos seus colegas de trabalho. Ah, eles se masturbam também.



Não é porque ele é famoso que ele tem que ser um exemplo. Quem tem que ser um exemplo são seu pais e padrinhos. O resto, é resto. Ele não fez nada demais, nada que nenhum de nós faríamos.  Justin só está sendo exatamente como nós somos. Como um pouco mais de dinheiro, mas como nós somos.





quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Não aprendendo sem exemplos e as novas gerações de pessoas doentes

Até o telecurso 2000 tem exemplo prático das coisas que tenta ensinar. O que houve com nossos desenhos e filmes, que agora, só mostram o que se pensa ser o certo? O que é certo?

Antigamente e não tão antigamente assim, o Coyote se dava mal quando tentava fazer armadilhas para pegar o Papa-léguas. Me lembro como foi chocante ver o Pica-pau congelado e morrendo de fome porque passou o verão todo dormindo e/ou roubando comida dos outros animais que trabalhavam. Quando eu via ou outros animais negando comida para o pica-pau, eu não ficava com pena, ele tinha feito tanta coisa ruim e havia sido tão preguiçoso que ele merecia aquilo. Eu sempre achei o Dick Vigarista um idiota por sempre ultrapassar todos os outros pilotos e parar lá na frente, para tentar prejudicar todo mundo ou o Mutley por ser muito interesseiro. 

 Você pensava assim? Eu sei que não sou o único que foi criado assistindo essas coisas e sei também que as pessoas que foram criadas assistindo essas coisas “politicamente incorretas”, não cresceram roubando, assaltando, estuprando ou fazendo coisas piores por influencia do Pica-pau. Em um episódio do Pica-pau, eu aprendi que é importante chamar a polícia e não desrespeitá-la.

Não adianta dizer “não faça isso”, “respeite o negro”, “abrace o gordo” e “não tire sarro do anão”, sem dizer o porque é errado fazer isso.

Estamos criando uma geração de pessoas que fogem dos sintomas, quando antes éramos chocados contra as causas que poderiam gerar muitos sintomas piores. Essas pessoas podem aprender que chamar o magro e alto de feio é errado, porque falaram isso diretamente para elas. O que elas não aprendem, é que criticar as pessoas por diferenças físicas é besteira.

- João, não abre aquela porta do armário.
- [CABECINHA DO JOÃO] Pode abrir todas as outras portas, menos aquela. 
 
 
 
Aprendi muito mais o valor da amizade com os Cavaleiros do Zodíaco, enquanto todos estavam sangrando no chão, e o Seya estava tendo o rosto esmagado contra uma escada, do que essa nova geração que está prostituindo os sentidos de amizade por coisas bobas que ouviram em músicas bobas e acham que sabem o que é considerar algo ou alguém.



quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Déjà vu da incompetência, negligências ou assim espero

Me levanto, caminho em direção a porta. As paredes são de vidro, assim como a porta. Caminho apressado, passos rápidos, preciso chegar logo até lá. Em um momento inconsciente de distração eminente dou de cara na parede, erro a porta, todos riem, fico envergonhado, vermelho e parece que vou ter um ataque do coração, de tão mal que me sinto nesse momento.

Após cumprir o resto da tarefa, volto e ainda preciso sair.

Me levanto, caminho em direção a porta. As paredes são de vidro, assim como a porta. Caminho apressado, passos rápidos, preciso chegar logo até lá. Em um momento inconsciente de distração eminente dou de cara na parede, erro a porta, todos riem, fico envergonhado, vermelho e parece que vou ter um ataque do coração, de tão mal que me sinto nesse momento.


Isso parece familiar ou absurdo?

 
A diferença entre isso e qualquer outro erro que cometemos duas vezes ou mais vezes é:
(--------------------------------- Aqui deixo o espaço para você tentar explicar -----------------------------)


Eu realmente não sei. Eu vejo, em qualquer área, as pessoas levantando e dando de cara nos mesmos vidros o tempo todo. O que impede de alguém aprender com seus próprios erros? Negligência? Masoquismo? Ou o pior de tudo, ser tão egocêntrico que não consegue perceber estar errado?

Não é errado errar.

Não é errado não saber.


O errado é não querer, não perceber que precisa mudar.


Aqui é o espaço aonde as pessoas vão pensar. “Ah, mas tem gente que não consegue ver que está errado, não percebe o erro sem ajuda”

Se você tiver o mínimo de sensibilidade e estiver andando no trilho de trem e ver um trem vindo em sua direção, o que você faria?

Quando erramos, de alguma forma, sempre vamos para uma direção oposta ou distorcida da situação original.

Você quer amar, quer ter um relacionamento perfeito e quer ser feliz. Você tem uma relação, as brigas começam e vocês terminaram a relação. Desejo e realidade foram diferentes. Mesmo assim, você vai lá em uma festinha e fica com uma pessoa que lembra a pessoa que você estava. 



Mesmo se sentindo mal, você bate com a cara no vidro de novo.